quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Nova Lulu & O Lado Pink da Força

Dia típico na vida: uma chuva meia-boca, um filme repetido na TV, cem coisas pra fazer e zero vontade. Pra dar uma afastada na preguiça dominante do corpitcho, resolvo tomar um banho quentinho e reconfortante, ficar cheirosinha e maciazinha e voltar a (fingir) trabalhar. Vamo lá. John Mayer lindamente solando um blues (porque até no banho ele me acompanha... ui.), apetrechos banhísticos oquêi, aquele suspiro de satisfação guardado pro momento em que a água quentinha chegar, e... carááái. Nada de água quente. Nadinha. Neca pau. Com aquela minha calma típica de monja tibetana, chamo o macho mais próximo (porque eu sou princesa e não posso me arriscar a tomar choque, por supuesto), que prontamente ignora o fato, alegando ter mais o que fazer. Comoassééém?? Como se não fosse importante o fato de eu estar ali naquela situação, necessitando ardentemente dos meus cheirinhos de morangocomchampagne e de uma aguinha na cútis! Pois sim. É muita insensibilidade, mái góde. Bem, diante de tamanha indiferença, o que eu fiz? Esperneei e gritei palavras de baixo calão? Fiz chantagem emocional lançando mão da milenar arte de fazer beicinho? Subi numa p**** de um banquinho pra tentar resolver o entrave, arriscando me estabacar no chão ou resolver sozinha e ainda sair com ar de superioridade? Nããão, fía. Eu fiz o de sempre. Dei uma respirada, peguei minhas lentes cor-de-rosa e fui pro outro banheiro, pensando que "tudo bem, não me custa tomar banho naquele chuveiro horrendo e ficar catando pingo pra lavar o cabelo". Sempre isso, sempre. Dentro de mim coexistem duas inimigas ferrenhas, a Pomba-gira e a Pollyana. A última sempre vence por fora, enquanto a outra destila seu veneno aqui por dentro. Então, catava os pingos daquele chuveiro meio gelado e pensava no quanto isso me incomoda, saca? Não o chuveiro, mas essa pollyanice toda. Essa coisa de sempre falar as verdades (porque eu falo as verdades, sim) do jeito mais rosinha, mais queridinho, mais positivinho. Inho, inho, inho. Essa mania de "tudo bem, querido... eu não gostei do que você disse/fez, mas eu não sou de guardar mágoa, tudo bem". Senhoooouuur, cadê a pomba-gira quando eu preciso dela??? Pensei num monte de situações em que eu precisei da maledeta da pomba e ela não girou, e no que eu diria se fosse subitamente dominada por um lado negro latente. No lance do chuveiro, por exemplo. Certamente a pomba urraria em alto e bom tom que se a p**** do chuveiro não tá funcionando é porque o macho em questão não fez a p**** da instalação direito, porque ele é um p**** de um pão-duro metido a sabichão e que resolveu fazer ele mesmo a p**** do trabalho da p**** eletricista. P****!!! Não resolveria o problema, mas quem sabe desse um alívio meio mórbido e eu ficasse cheia de razão, com um sorrizinho cretino no canto da boca. Me empolguei no pensamento e vislumbrei que talvez eu me enchesse de ousadia e perguntasse pra Fulano se ele comeu cocô quando decidiu ficar com aquela mocréia-com-cara-de-turca (deixando claro que eu não tenho nada contra os turcos em geral, só contra essa manceba em específico, claro), que não deve ser nem metade daquelas coisas que ele adorava que eu fosse e que... ah, nem vou comentar. E que se fez essa escolha, que me deixasse em paaaaz, fióte! E talvez dissesse pra Beltrano que se ele não parar de me olhar com aquele zoínho que me deixa molenga e de aparecer nos meus sonhos daquele jeito, desprovido de roupa e vergonha, um belo dia eu vou esquecer a phinèsse que papai do céu me deu e jogá-lo na parede, chamando o rapaz de Lagartixa sem chance de defesa. Aí eu quero ver só. Rãh. E se sobrasse pomba-girice, diria pra Ciclano desistir de uma vez, porque ele nem é aquela coisa toda como ele pensa que é e que, putaqueopariu, o papinho pra lá de furado já não me convence desde os meus tenros 13 anos. Se o pobre não entender, eu desenho! E diria também pra umas e outras pessoas que sequer fazem parte da minha tigrada (porque essa merece tudo!), mas pensam que meus ricos ouvidinhos não são latrinas que NÃO, EU NÃO QUERO ouvir lamúrias depressivas e repetitivas e com as quais eu não tenho nada a ver e que NÃO, EU NÃO TENHO as respostas pra todas as aflições da humanidade, for god sake. E mais um tantão de coisas que a cor-de-rosice não permite escrever assim, agora. Enfim, depois desses pensamentos muito libertadores e pouco tibetanos, saio do chuveiro disposta a mudar alguma coisa. Puta da vida, mesmo. Eis que encontro o estopim da história no caminho, que me pergunta (com uma cara deslavada) se eu consegui tomar meu banho direitinho, "porque aquele chuveiro é uma bela m****", afinal. Era o que eu precisava: junto toda a energia, cerro os punhos com toda a minha raiva e respondo, prontamente, com um olhar ameaçador: "sim, e até que não tava tão ruim...". E sigo cor-de-rosa, porque o negro não me cai bem, mesmo.

10 comentários:

Paula disse...

Bela estréia, eu diria!

E falando em pomba gira... a minha sempre dá as caras em momentos impróprios: o que sempre me deixa vermelha em seguida. ahahaha

Droga.

Ju disse...

belo texto, amiga!

Paula disse...

... mas às vezes eu saio orgulhosa da minha pomba-gira!

Ju disse...

com a mulher no estacionamento foi respeitável tua atuação, paulita! fez ela realmente merecer entrar pelo porta-malas!

Josh disse...

Que estilo arrojado!

E eu que achava que a Martha Medeiros explicava o universo feminino. Que aula...

Fica o aviso pra nós homens, pra deixar o chuveiro sempre em dia.

E viva o lado rosa, nas nossas mulheres pelo menos... =)

Deni! disse...

noooossa, mas eu tô chique, bem!!

Deni! disse...

Mas essa tua "habilidade" de ficar vermelha com as próprias pomba-girices é uma das tuas características mais fofamente marcantes! Adoro!

Paulinha Papaleo disse...

Digui, amiga!
Que máximo teu texto.Muito bem escrito e a tua cara.
E me fez refletir...Eu, que era sempre cor-de-rosa, ando precisando largar a pomba gira da irritação e o lado cinza do desânimo.
Mas nada como uma tarde com as amigas não resolva!
Parabéns a todas pelo blog (com essa equipe não poderia ser diferente)!Ganharam mais uma leitora!

Julia disse...

Dedê! Como eu já te disse, preciso achar a pomba-gira em mim também! Chega de "tudo bem"!!!
E adiciona um marcador aí: TPM, e daí?

Rafael Pinheiro disse...

Bah Dê, tu girou afu pra escrever esse texto ou melhor liberou o lado do pretinho básico feminino em plena tpm. Excelente!

Bjão, RF