sábado, 14 de agosto de 2010

Assim não dá mais

Essa noite fui acordada, como sempre, com o barulho de discussão no drive-thru. Normal. Só que passou a ser barulho de briga mesmo. Fui pra janela. Tinham uns moleques à pé brigando com os funcionários, que tentavam dizer que a loja estava fechada e que não poderiam entrar.

(Isso sempre acontece, eu não entendo: as pessoas são burras? Não sabem o que significa drive-thru? Sempre pedem pra entrar... eu, hein...)

Bom, mas o que saiu do normal foi que um dos moleques (sim, MO-LE-QUES, eu poderia jurar que eram fãs de Restart, só pelas roupas) começou a agredir os funcionários! Nem as meninas escaparam. A essas alturas eu já havia ligado pra polícia. Como, aparentemente, o 190 não me levou à sério, liguei novamente. "Aaaahhh, tá... qual o endereço?" "No McDonald's da 24 de Outubro", porra! Quantos McDonald's da 24 de Outubro existem em Porto Alegre??? "Aaaaahhh, tá... qual a placa do carro?" "Não tem carro, eles estão à pé!!!". De novo, essa gente é burra ou só se faz de retardada? Quando que eu falei de carro? Comecei a ficar irritada. Ouvi que alguns funcionários também ligaram mais de uma vez. "Vamos reiterar o aviso", disse o atendente. No total, liguei três vezes e ouvi sempre a mesma coisa "já estamos sabendo, vamos reiterar o aviso".

PUTA QUE O PARIU. Que parte de "eles estão agredindo os funcionários e quebrando a loja" vocês não acham grave, hein, seus guardas?

Sim, eu vi um deles dar uma voadora num funcionário, que caiu em cima de uma menina que estava perto. Quebraram o vidro da porta e entraram. Quebraram mesas. A essas alturas, os funcionários já tentavam manter as criaturas dentro da loja mesmo, pra não fugirem antes da polícia chegar, já que ela estava demorando demais. Um dos delinquentes percebeu e disse pra irem embora de uma vez, antes que a polícia chegasse. E adivinhem? É claro que foi isso que aconteceu. Eles saíram correndo e a polícia chegou uns quinze minutos DEPOIS que eles foram embora. E quando eu digo "polícia", quero dizer "um guardinha", aparentemente à pé. Ah, tá, seu guarda, muito obrigada POR NADA.

Tem câmeras de segurança lá. Mas o que vão fazer? Sair por aí com as imagens comparando com as pessoas que andam nas ruas? Que parte do "eles não estão de carro" a polícia não entendeu? Não dá pra rastrear um rosto como se rastreia uma placa de carro. Não vai acontecer nada com esses otários que destruíram um estabelecimento, ofenderam e agrediram funcionários e até clientes que tentaram apartar.

Assim não dá mais. Está cada vez mais difícil viver desse jeito. Olha, sempre que acontece alguma coisa, eu ligo pro 190. E sabe quando eles ajudaram? NUNCA. Nas poucas vezes que responderam ao chamado, chegaram depois. Já aconteceu o cúmulo de eu ligar mais de uma vez pra emergência e tocar até cair a ligação, sem ninguém atender. Pode isso?

Eu sei que a polícia é mal remunerada, mal equipada e blá blá blá. Mas estou cansada da inacreditável ineficiência da polícia em Porto Alegre. O que vai precisar pra mudar alguma coisa? Algum funcionário levar um tiro de um cliente estressadinho com a demora? Porque daí pode ser que apareça no Jornal Nacional e a Brigada Militar não queira passar vergonha em horário nobre.

Não dá pra entender. Nas periferias reclamam que a polícia não atua, pois ela só atende aos ricos. Mas isso aconteceu no Moinhos de Vento, um dos bairros mais nobres da cidade, e ela também não atendeu. Aonde ela atua então? Mistérios da vida...

E, McDonald's: aonde você pensa que está? Na Dinamarca? Como é que não tem um segurança noturno? SEMPRE tem briga no drive-thru. Acha que pode deixar seus funcionários dependerem da polícia no Brasil? Bebeu, né? Ah, mas pagar os salários de uns dois seguranças vai te deixar mais pobre, né... entendo.

Vamos fugir pro exterior, que a gente ganha mais. Porque se sentir seguro aqui parece ser uma tarefa impossível.

3 comentários:

Paula disse...

por isso que meu sonho secreto sempre foi ser justiceira super-heroína, sei lá.

que ódio!
quando entrou um ladrão aqui na minha casa, no dia em que estávamos só eu, minha irmã e minha mãe, foi a mesma coisa. A Brigada veio 2hs depois da última ligação.

juliano disse...

Eu e um amigão inventamos um dia o fabuloso TACO DA JUSTIÇA. Era um taco, tipo uma clava mesmo, que era totalmente impessoal, sem dono, quase abstrato, e vagava pela Terra. Quando alguém verdadeiramente precisasse ele surgiria, tal qual o Chapolim, pra que a própria pessoa fizesse justiça com o próprio taco! Lei de Talião nos tempos modernos. Um sonho!

Helena disse...

Acho que vc deveria ligar para reclamar, através de algum numero da prefeitura, sei lá. E, como tudo tem o outro lado, quando tive que ligar para o 190 eles vieram rapidamente, sem pedir grandes explicações.