domingo, 26 de abril de 2009

Lulu e o gourmet

Meus queridos,

peço perdão pela minha ausência e, consequentemente, pela falta de posts com marcador pimenta. Vejam bem: não é que eu não estivesse por aqui - pelo contrário, sempre acompanho o blog - acontece que simplesmente não surgia uma brecha, digamos assim, pras minhas historinhas.

Essa é curta. Quase um DROP. Bem... pra falar a verdade não é, não: curta mesmo é a característica do bofe que verão a seguir, se é que me entendem. Até aí, nada de mais.

Pois bem. Modéstia à parte, eu tenho tudinho no lugar. Duvida? Olha a minha foto do perfil: sou uma pin-up! Eu sou Lulu, com L maiúsculo, baby. Calme, não estou (apenas) me vangloriando: é importante que você tenha essa informação pra entender como foi frustrante o que eu passei.

Imagine a minha situação. Você está lá com o bofe. Início de namoro (ou coisa que o valha.) Viagem de final de semana juntos. Você é Lulu e logo imagina que não vão sair da cama. Vai preparadíssima. Já no início percebe que não é nenhuma maravilha e que tudo acontece muito rápido por ali. Você pensa "Oquêêêêiiii. O bofe pode ter ficado nervoso. Ou pode ser também que ele não tenha tanta experiência. Vamos com calma".

O dia amanhece e a criatura não toma a iniciativa. Você dá um tempo - deixa a pessoa acordar direito. E nada. Então você resolve tomar um banho, ficar cheirosinha, bonitinha, gostosinha. Já está perto do meio-dia: nada. Você decide que, se ele não tem atitude, você tem. Eis que você aparece na cozinha só de calcinha e sutiã: lindos, escolhidos a dedo. O corpitcho em forma. Banho tomado, pele macia, cabelo impecável. Pra deixar claro quais são suas intenções, já que o vivente parece ter o raciocínio meio lento, você dá um beijo daqueles.

Foi aí que a coisa desandou de vez pra mim, leitores. O cara hesitou. Isso mesmo: eu senti que o cara hesitou. Olhou pra mim, olhou pra carne que estava sobre a pia... Fez isso umas duas vezes. O cara FICOU NA DÚVIDA.

Francamente! Se eu tiver que competir com um pedaço de carne, é porque tem algo muito errado aí. Obviamente fui embora depois disso. Poupe-me, né?

Esse causo abalou a minha auto-estima, não nego. Mas eu sou bem resolvida, honey, e, depois disso, já tirei a prova (muitas vezes) de que sim, sou atraente. UFA! O problema não estava em mim.

Mas, convenhamos: competir com comida?
Aonde esse mundo vai parar?

7 comentários:

Carol disse...

aiuhaiuhauihaiuahiuaaa!!!
nao dá, né?

Por isso que eu quero ser que nem você quando crescer! \o//

Ju disse...

Putz, aí já é querer demais!
Ele que fique gordo com todos seus bifes e a Lulu sempre deslumbrante como sempre! :)

Paula disse...

AH NÃO!

Anônimo disse...

A Lulu é intimidante. É daquelas que incita os homens a fazerem gracinhas na rua quando tão junto com os amigos, mas na hora do vamo vê deixa-os nervosíssimos. Ainda bem que o vinho existe pra contornar essas situações, quando contornáveis né.

Julia disse...

Ai, pobre Lulu!
hahahaha

Anônimo disse...

HAHAHAHAHHAHA
GURIAAAA!! TO RINDO MOOOOOITO AQUI LENDO AS TUAS HISTÓRIAS!!!!
Já que tu não trabalha mais no computador do lado ao menos fico sabendo das histórias BIZARRAAAAAS por aqui então!!
Amiga, te desejo todo o sucesso do mundo pois vc merece!
Sou tua fã desde já! hahahahah
Beijos,

Carol Kreling!

Rafael disse...

Virei vegetariano por causa dessa história. Comigo a Lulu não corre esse risco.